Maioria dos brasileiros reprova emenda dos gastos, diz Datafolha

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
FOTO: Manifestação contra a PEC 55 em Porto Alegre / Foto: Jornal do Comércio

A maioria dos brasileiros é contra a aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) que estabelece um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos, mostra pesquisa Datafolha.

Segundo o instituto, que entrevistou 2.828 pessoas em 7 e 8 de dezembro, 60% dos brasileiros são contra a aprovação da emenda, que deve ser votada em segundo turno nessa terça (13) no Senado.

A PEC tem apoio de 24% da população e a indiferença de 4%. Os outros 19% afirmaram não saber como responder.

De acordo com 62% dos brasileiros, a emenda trará mais prejuízos do que benefícios, contra 19% que pensam o contrário.

Apesar da rejeição à PEC, 53% afirmaram que os recursos públicos existentes hoje são suficientes, mas são mal aplicados, enquanto para 36% eles são, além de mal utilizados, insuficientes.

A desaprovação à emenda que congela os gastos é maior entre os mais jovens – de 16 a 24 anos, 65% são contra a medida, ao passo que 47% dos maiores de 60 não querem sua aprovação.

 Fonte: Pesquisa Datafolha realizada nos dias 7 e 8 de dezembro, com 2.828 entrevistados. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um índice de confiança de 95% / Foto: Folha de S.Paulo

Fonte: Pesquisa Datafolha realizada nos dias 7 e 8 de dezembro, com 2.828 entrevistados. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um índice de confiança de 95% / Foto: Folha de S.Paulo

O repúdio também é maior entre os mais escolarizados. Entre os que têm ensino superior, 68% a rejeitam, contra 51% daqueles que possuem só ensino fundamental.

Apesar disso, as maiores rejeições estão entre as menores faixas de renda: 60% para quem recebe até dois salários mínimos (R$ 1.670) e 62% para quem ganha entre dois e cinco salários mínimos (até R$ 4.400).

Entre os mais ricos, com mais de cinco salários mínimos (a partir de R$ 5.280), é maior a aprovação à PEC —35%, contra 20% da população com até dois salários.

Quando questionados a respeito de áreas específicas, 50% afirmaram acreditar que a saúde e a segurança devem piorar caso a PEC seja aprovada, 51% acham que a educação sofrerá com a aprovação e 47% que o transporte público e saneamento também.

A emenda constitucional, um dos principais itens da agenda econômica de Michel Temer, prevê o congelamento dos gastos do governo por 20 anos, a partir de 2017. A correção dos valores seria feita apenas pela inflação.

Para os defensores, ela impedirá a explosão dos gastos públicos, condição fundamental para a retomada do crescimento econômico. Opositores argumentam que despesas sociais, sobretudo em educação e saúde, ficarão achatadas.

Da Redação com Folha de S.Paulo

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
0.00
Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

BOMBANDO AGORA!